5 tentativas históricas de banir o café

5 tentativas históricas de banir o café

Tomar café pode amenizar dores musculares, evitar a amnésia pós-bebedeira, te deixar mais forte e até te fazer viver mais. Mesmo assim, a bebida já sofreu algumas perseguições durante sua existência. Por isso, o site Mental Floss publicou uma lista com 5 tentativas históricas de banir de vez o café. Confira:

1. Meca
O café foi banido no ano de 1511 em Meca, a cidade sagrada dos muçulmanos na Arábia Saudita. A justificativa era de que a bebida estimulava o pensamento radical. Além disso, ela também ganhou má reputação por ser usada como estimulante, já que algumas pessoas bebiam café para permanecer acordadas durante as orações em um funeral.

2. Itália
Logo que chegou à Europa no século 16, o café foi banido pelos clérigos, que marcaram a bebida como um produto do demônio. Ela foi proibida para os cristãos e permaneceu assim até o Papa Clemente VIII experimentá-la. Ele, então, declarou que a bebida era deliciosa e a liberou para todos. Com a benção do papa, cafeterias se espalharam rapidamente pela Europa.

3. Constantinopla
O sultão do Império Otomano Murad IV subiu ao trono em 1623 e alguns anos depois proibiu o consumo de café. Pior: criou também um sistema de castigos para quem desobedecesse a ordem. Quem era pego bebendo café pela primeira vez levava uma surra. Se quebrasse a regra de novo era preso a um saco de couro e jogado nas águas do Bósforo, um estreito que liga o Mar Negro ao Mar de Mármara.

4. Suécia
O país proibiu o café em 1746. A restrição era levada tão a sério que foi estendida também aos objetos usados no consumo de café: policiais chegaram a confiscar copos e pires. O rei Gustavo III ainda ordenou que assassinos condenados bebessem café enquanto médicos monitoravam em quanto tempo eles morreriam por causa da bebida. Não que alguma vez tenha dado certo…

5. Prússia
O café é inferior à cerveja e está interferindo no consumo nacional desta. Foi com esse argumento que Frederico II da Prússia emitiu um manifesto em 1777 na esperança de que uma declaração real mudasse os hábitos da população. "Sua Majestade foi criada com cerveja", dizia o texto. Por isso, ele achava que era uma boa ideia beber cerveja no café da manhã.